No GP Brasil de Fórmula 1, no próximo domingo, 02 de novembro, em Interlagos, São Paulo, o pódio da corrida que consagrará o campeão mundial de 2008 e uma importante conquista brasileira no campo da inovação: os troféus a serem entregues ao primeiro, segundo e terceiro colocados, além do construtor vitorioso, foram desenhados pelo arquiteto Oscar Niemeyer a partir de um material inédito na história da competição, o plástico verde da Braskem.

Primeiro polietileno certificado do mundo feito a partir de matéria-prima 100% renovável – etanol da cana de açúcar -, o polímero verde é a confirmação do compromisso da Braskem, empresa petroquímica líder no mercado latino-americano e terceira maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, com o desenvolvimento sustentável. Para transformar o plástico verde em obra de arte, a Braskem uniu a sua inovação à criatividade de Niemeyer.

O plástico verde, desenvolvido no Centro de Tecnologia e Inovação Braskem, recebeu, em 2007, um dos mais importantes prêmios internacionais do setor, na Europa, o Bio Plastic Awards. Além de utilizar matéria-prima renovável, proporciona a retirada de carbono da atmosfera ao longo do seu ciclo completo de vida, do cultivo da cana à reciclagem do produto pós-consumo, contribuindo para a redução do efeito estufa. E os Clientes terão a opção de industrializá-lo na mesma máquina que processa a resina tradicional.

O troféu desenhado por Niemeyer é inspirado nas colunas do Palácio da Alvorada. “A arquitetura segue o caminho de uma obra de arte e o que caracteriza uma obra de arte é a emoção, a surpresa. A coluna do Alvorada é um dos símbolos da arquitetura de Brasília. Poderíamos ter feito num formato qualquer, retangular, reto, sem nenhuma complexidade. Mas optamos por usar uma forma de coluna que nunca foi feita igual“, diz Oscar.
.

Categorias: Tecnologia

Adirson Allen

evangelista de tecnologia, designer de tendências e cool hunter