O complexo assunto da tecnologia Blockchain (ainda não sabe ou não entende muito bem então leia: O que é Blockchain) e sua relevância para a arte contemporânea.

Pois Blockchain é mais associada à crescente popularidade de criptomoedas como Bitcoin e Ethereum, mas os princípios e implicações Blockchain vão além da crescente atração por moedas que não dependem de governos ou sistemas financeiros centralizados.
Como Blockchain computing permite que uma rede de computadores execute processos coletivamente que são criptografados para se tornar um registro irrevogável compartilhado entre todos os computadores que executam o processo, todos os tipos de formas, trocas, contratos e processos supostamente verificáveis ​​podem ser configurados na parte de trás.

Blockchain promete e oferece soluções inovadoras para questões de transparência, confiança e governança na era digital.
Mas a ascensão do interesse em Blockchain, é acompanha de perto por uma economia mundial cada vez mais financeirizada desde o crash de 2008.
Então foi apenas uma questão de tempo até que o mercado de arte tivesse suas próprias plataformas de registro, validação, autenticidade e negociação baseadas em Blockchain.

Durante a última década, houve muitas tentativas de empresários de tecnologia para tornar o mercado de arte mais transparente e a comercialização de obras de arte mais “fluidas”. Primeiro, com sites de dados de leilão, depois com plataformas shopfront de negociação de arte, como Artsy ou Mutualart, e sites de leilão, como o Paddle8.

Assim curiosas novas relações entre arte e capital estão sendo possibilitadas pela “criptofinança”, que coloca o “valor monetário” no centro do processo criativo de forma benéfica para os artistas.
Pois existem pelo menos quatro áreas principais nas quais Blockchain poderá impactar o mercado de arte:
1. Impulsionar as vendas de arte digital através da escassez digital
2. Democratizar o investimento em belas artes
3. Melhorar a proveniência e reduzir a falsificação de arte
4. Criar uma forma mais ética de pagar aos artistas

Como uma tecnologia pode ter um impacto tão grande em quatro áreas aparentemente diferentes no mercado de arte?
É sempre bom ressaltar que Blockchain pode ser usado para arte e outras propriedades intelectuais. Com blockchain, a confiança é estabelecida através de colaboração em massa e código inteligente no lugar de uma poderosa instituição centralizada que serve como intermediários.

Maecenas anunciou recentemente sua plataforma de registro e negociação de arte, a primeira “galeria de arte descentralizada”, bem como a primeira oferta pública de seu novo “token”, nomeado ART. Não apenas uma criptomoeda, o Maecenas se apresenta como uma plataforma Blockchain que, de acordo com seus criadores, “democratizará o acesso à arte”. Agora as pessoas que sempre sonharam em possuir pinturas e obras famosas podem comprar ações de um Picasso, Warhol, Monet, e outros.
A tecnologia permitirá que investidores, colecionadores e proprietários troquem ações em pinturas e esculturas instantaneamente, da mesma forma que as ações de uma empresa são negociadas hoje.
Por outro lado, galerias, museus e colecionadores podem oferecer trabalhos de sua coleção para licitar em Maecenas para arrecadar dinheiro para a compra de obras e trabalhos futuros, mas deixando intacta sua coleção.

Isso pode soar como um fundo de arte comum, mas lembre-se de que o Blockchain elimina o intermediário, reduzindo bastante os custos de transação. O custo de transação com Blockchain é tão baixo que o Maecenas pode, teoricamente, permitir que você invista apenas uma fração de moeda de um centavo usando criptomoeda sem ter que pagar as taxas de transação.
Ótimo para a galeria, mas e os investidores? Os investidores também se beneficiam da magia Blockchain. Como as taxas e o custo das transações caem drasticamente com Blockchain, e a criptomoeda pode ser infinitamente dividida, a Maecenus pode transformar obras de arte avaliadas em dezenas de milhões de dólares em minúsculas unidades digitais que podem ser facilmente compradas e vendidas em tempo real, com muito menos atrito ou taxas.

A plataforma Maecenas, representa algo novo, uma vez que sua principal inovação é a fragmentação dos valores de ativos relativamente “ilíquidos” em objetos financeiros mais comercializáveis. Com frações do valor de uma arte comercializável, Maecenas espera atrair um número muito maior de investidores para o mercado de arte, aqueles que buscam “diversificar suas carteiras”.

Fato é que Blockchain reduz a falsificação de arte com autenticação, verificação e comprovação aprimoradas, pois talvez o uso mais óbvio de Blockchain é combater a falsificação de arte através do estabelecimento de uma melhor autenticação e proveniência.

Como em seu núcleo Blockchain é um livro razão distribuído, ele pode fornecer um registro inalterável de proveniência começando com autenticação e terminando com o atual proprietário de uma obra de arte.
Para determinar a autenticidade de uma obra de arte, muitas galerias de arte e casas de leilões dependem da proveniência. A proveniência é basicamente a lista de transações que mostra como uma obra de arte trocou as mãos de um proprietário para outro, rastreando-o de volta para o proprietário original, o artista. Contas de galeria, registros de exibição, registros de leilão, etiquetas de envio ou selos de revendedor são freqüentemente usados ​​para rastrear a origem da obra de arte até seu criador e provar que uma obra de arte é original. Infelizmente, não é incomum que documentos de proveniência sejam falsificados, e obras de arte falsas são vendidas como originais, apesar de todas as precauções.

Percebendo as desvantagens da proveniência regular, a tecnologia Blockchain oferece uma maneira superior de rastrear a arte à medida que ela se move de um proprietário para outro. Toda vez que um artista cria um novo trabalho de arte, ele pode protegê-lo com um token digital.

Há uma variedade de empresas que fornecem verificação de token para artistas como Monegraph ou Verisart.

Na Monegraph depois de enviar uma foto da obra de arte, ou uma URL de uma obra digital, com algumas informações simples, como título, dimensões e data, a empresa fornece ao artista um token, que serve como uma certificação de autenticidade. Ao mesmo tempo, o trabalho artístico será adicionado ao Blockchain. Quando o trabalho artístico é vendido, o artista transfere o token para o novo proprietário, juntamente com uma peça de arte, e essa transação de tokens é registrada digitalmente no Blockchain. Toda vez que uma obra de arte é vendida, a mudança na propriedade é registrada adicionando um novo bloco com os dados de vendas e um carimbo de tempo no Blockchain. Dessa forma, toda venda se torna parte do registro permanente de transações.

A Verisart certifica e verifica obras de arte e colecionáveis ​​usando Blockchain Bitcoin. Eles estão combatendo a falsificação de arte, fornecendo uma metodologia de autenticação “hermética” que permite a verificação em tempo real de obras de arte usando o ledger distribuído e a tecnologia de reconhecimento de imagem. Seu mercado alvo inicial é a autenticação de artistas vivos e que trabalham. No longo prazo, eles planejam se mover na direção de autenticar obras mais antigas, trabalhando com as propriedades dos artistas eventualmente tendo a proveniência de cada obra de arte em sua Blockchain.

No Brasil a OriginalMy gera Provas de Autenticidade, utilizando Blockchain como protocolo. Primeira empresa brasileira a utilizar Blockchain como protocolo no Brasil, desde 2015, utilizando-o inicialmente para efetuar provas de autenticidade para documentos digitais.
Registro de Autenticidade também conhecido como BitRegistro ou Prova de Autenticidade para Documentos Digitais. Qualquer documento digital pode ter sua existência comprovada através de um carimbo de tempo fornecido por um Blockchain público. Conteúdos como obras de arte, declarações, propostas, relatórios e qualquer outro tipo de documento.

Além de combater falsificação e roubo, Blockchain tem o potencial de proteger e apoiar artistas, introduzindo novos métodos de monetização dos trabalhos e obras.

Artlery está construindo a “primeira moeda do mundo a ser explicitamente apoiada pela criação, exibição e valorização da arte”, que eles chamam de CLIO, batizada com o nome da musa da história.
A Artelery está construindo ferramentas para acompanhar o engajamento com a arte, oferecendo métodos fáceis para avaliar, precificar e vender arte. Ele permite que os artistas acompanhem o engajamento com suas obras de arte de dentro do aplicativo, não importa onde o trabalho de arte esteja sendo exibido fisicamente. Links personalizados são gerados para que os artistas possam compartilhar seus trabalhos individuais, uma série de trabalhos ou uma coleção inteira.

Como os artistas podem ser pagos pelo valor que trazem para a sociedade? É uma questão inquietante e antiga, que a artista e empresária Beatriz Helena Ramos espera revigorar através de Dada, a plataforma de conversação visual que ela lançou em 2014 com seus colegas artistas tecnólogos Yehudit Mam e Abraham Milano. Dada é um cruzamento entre um mercado, um projeto de arte e uma startup de tecnologia, um status exclusivamente híbrido que pode ser a chave para redefinir o sucesso dos artistas na era digital. Dada foi concebido como uma rede social onde as pessoas podem falar umas com as outras em desenhos ao invés de palavras. Mais do que meramente uma plataforma de desenho, é a qualidade de conversação de Dada que promove momentos de magia real entre os usuários.

A tecnologia Blockchain pode ter vasta aplicação no cenário das artes e ainda oferecer bases para um banco de dados abrangente de origem e proveniência.

Na certificação de obras de arte existentes e novas, um artista vivo pode usar Blockchain para certificar sua própria arte, enquanto obras de artistas falecidos podem ser verificadas e adicionadas ao Blockchain por placas de certificação. Com o tempo, a tecnologia Blockchain poderia levar à criação de um banco de dados que poderia abranger uma lista de todos os proprietários ou todas as obras de arte já criadas. Como o banco de dados será transparente e fácil de acessar, verificar a autenticidade das obras de arte será possível com apenas alguns cliques.

A tecnologia Blockchain pode ser igualmente valiosa para a certificação de arte física e digital. A autenticidade de obras de arte físicas pode ser protegida usando um chip semelhante ao da sua identidade ou passaporte. O chip que contém uma chave privada pode ser armazenado na obra de arte, com a chave pública anexada armazenada no Blockchain. Quando você escaneia o chip, ele passa por um algoritmo criptográfico e afirma que determinada peça é uma autêntica obra de arte.

Embora os blockchains possam ser usados ​​para certificar qualquer tipo de arte, seja uma pintura, uma escultura ou uma fotografia, a tecnologia Blockchain é particularmente importante para a arte digital. Como uma obra de arte que existe apenas no espaço digital, a arte digital é fácil de roubar da Internet e copiar. Ao associar a arte digital a um token, um artista pode protegê-lo contra roubo e uso não autorizado. Um artista poderia vender uma peça de arte digital simplesmente passando o token para o novo proprietário ao receber o fundo, como prova de propriedade. Você pode até usar o Blockchain para criptografar o arquivo digital e, em seguida, usar o token como uma chave para acessá-lo. Dessa forma, apenas a pessoa com o token pode conseguir abrir o arquivo e visualizar a arte criptografada.

A tecnologia Blockchain é um divisor de águas para o mundo da arte. Não só Blockchain serve como uma prova de proveniência que permite que você facilmente rastreie a arte de volta ao artista, mas também tem muitos outros efeitos positivos no mundo da arte.

Blockchain é ótima para vender múltiplos de arte digital, pois um artista pode certificar toda uma série de trabalhos solicitando 50 ou 100 tokens como certificados de autenticidade. Dessa forma, os artistas podem vender arte digital de edição limitada a vários colecionadores simplesmente transferindo um token para cada comprador.

Blockchain é o melhor para tornar os intermediários obsoletos. Com o problema de autenticação fora do caminho, os artistas e colecionadores podem vender suas peças de arte sem se voltarem para casas de leilão ou revendedores de arte, simplesmente publicando sua arte on-line e permitindo que mudem de carteira. Os artistas poderão vender seu trabalho sem a comissão das galerias, e os compradores poderão comprar arte de artistas ou outros colecionadores diretamente em uma transação P2P. Isso significa mais dinheiro para os artistas e acesso mais fácil à arte para todos.

Ao remover a necessidade de gatekeepers, como revendedores ou galerias, a tecnologia Blockchain pode contribuir muito para a democratização do mercado de arte e trazer um pouco de transparência necessária ao mundo da arte.

Scroll Up